Blog dos voluntários do Texto Livre

www.textolivre.org

Falhas de comunicação com o robô Ed

with one comment

Foi realizada – em uma das aulas da disciplina Produção de Texto: Uma abordagem semiótica, da UFMG – uma experiência interessante com o robô Ed. Cada aluno conversou individualmente com este robô no site da conpet, tendo como objetivo analisar o processo de comunicação entre nós e o robô, apontando, assim, as falhas que ocorreram entre o destinador (alunos) e destinatário (robô), de acordo com o esquema abordado por Ignácio Assis Silva.

Ao falar de falhas da comunicação, Ignácio utiliza o termo ruído que pode ser dividido em três tipos: semiótico, físico e o lingüístico. Percebe-se o ruído em todos os tipos de textos, principalmente nos diálogos, porém há ruídos que não afetam consideravelmente a comunicação, e outros – os quais darei ênfase – realmente influenciam de maneira negativa a comunicação.

Nesse diálogo entre mim e o Ed houve alguns desses ruídos. Com relação ao semiótico, recortei do diálogo uma das partes que ocorreu esse problema:

Você: eh verdade que a água também esta acabando?

Ed: Falta de água… não ter o que beber, já pensou! E a Terra tendo a maior parte de sua superfície coberta por águas. O problema é que só uma pequena parte de todo esse líquido é doce e pode ser consumido. E além do mais, a água doce corre o risco de se acabar.

Você: por que esta correndo o risco de se acabar?

Ed: Tudo ótimo. Bip bip. E você?

Você: não entendi sua resposta.

Ed: então vamos mudar de assunto pois nem eu entendi!!!

Houve o ruído semiótico em minha segunda pergunta, pois deixei uma lacuna na pergunta ao pressupor que o receptor estava ciente do que falávamos, que era a respeito da água. Creio que se fosse um diálogo entre humanos, esta minha lacuna não acarretaria a falta de entendimento, mas por tratar de um robô, que só responde o que nele está programado, ele não conseguiu inferir que era sobre a água que ainda estava lhe perguntando.

Agora, com relação à falha lingüística que ocorreu em nosso diálogo, pode ser verificado no exemplo abaixo:

Você: qual o principal motivo que está fazendo com que acabe a água doce?

Ed: Nesse exato momento? Estou escutando uma musiquinha legal, pensando… E teclando com você, claro! E você, o que está fazendo?

Houve uma falha lingüística, pois o Ed não reconheceu o código usado em minha pergunta, ele apenas assimilou uma parte da pergunta: “que esta fazendo” e por isso respondeu algo que eu não tinha perguntado.

Houve também um ruído físico, mas este, não consegui recortar, por isso irei dizer o que aconteceu. Em uma de suas respostas, o Ed disse que há uma porção de coisas para se evitar o gasto de energia, então lhe perguntei qual era essa porção de coisas, só que eu ao escrever “porção” escrevi “porcao” e o Ed me respondeu dizendo o conceito de porco. A minha falha na escrita causou um ruído, pois o Ed não conseguiu inferir que porcao era o mesmo que porção.

Esses tipos de ruídos ocorrem constantemente em nossas conversas, e até mesmo em textos. São ruídos que podem ou não atrapalhar a comunicação, e através desse diálogo com o Ed podemos verificar como esses ruídos influenciaram, de maneira negativa, a nossa comunicação.

Stella Brum

Anúncios

Written by stellabrum

23 abril 2008 às 6:12 pm

Publicado em 1

Uma resposta

Subscribe to comments with RSS.

  1. excelente

    otextolivre

    23 abril 2008 at 7:41 pm


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: